DADOS ESTATÍSTICOS E MOTODOLOGICOS EM ERUMATOLOGIA –PARTE III

DADOS ESTATÍSTICOS E MOTODOLOGICOS EM ERUMATOLOGIA –PARTE III

 

1)Anticorpos anti- nucleares

 

Anticorpos anti-DNA cadeia dupla

As metodologia atuais para anticorpos anti-DNA são a Imunofluorescência Indireta-IFI com substrato de Crithidia luciliae, ELISA e Quimioluminescência.

Esses anticorpos aparecem nos casos de LES, sendo raros em outras doenças e em indivíduos sãos.  A maior indicação do teste é a confirmação de LES ou nos casos de teste de FAN positivo para os padrões fluorescentes ligados ao LES. Pode ser usado para controlar  a atividade da LES. O teste pode negativar nas fases inativas da doença e vai se positivando muito antes de reaparecerem os sintomas. Nos casos de LE induzido por drogas, geralmente, os anticorpos anti-DNA  não se tornam positivos, porém, podem aparecer com o uso de alguns medicamentos, como fator de necrose anti-tumoral, minocilcina ou penicilamina.

A especificidade dos anticorpos anti-DNA em casos de LES podem alcançar níveis de 97%, (metodologia-dependente), que podem ser maiores em casos de títulos elevados. A presença de anticorpos anti-DNA e positividade do FAN para padrões fluorescentes ligados ao LES, é uma associação forte para o diagnóstico da doença. Esses anticorpos estão presentes em 60 a 80% dos caos de LES, porém, um teste negativo não exclui LES. Os casos que mais apresentam positividade de anticorpos anti-DNA são os de LES com Nefrite Lúpica.

Como toda regra tem suas exceções e podemos encontrar pacientes que tem a doença em remissão/inativa, mas com altos títulos de anti-DNA, e ainda outros que tem a doença a doença em franca atividade e com teste negativo.

 

Anticorpos anti-Smith (Sm) e anti-RNP

 

                Esses antígenos apareceram no início das investigações dos anticorpos anti-ENA (Extrable Nuclear Antigen), que utilizavam timo de vitelo como substrato antigênico. Os anticorpos anti-Sm reagem com proteínas nucleares ligadas ao RNA –mensageiro e os anti-RNP reacionam contra tipos de RNA nuclear de baixo peso molecular, conhecidos por U1. Os anticorpos, hoje, são determinados por testes em ELISA ou IFI em células HEp-2 (padrão fluorescente Nuclear Pontilhado Grosso). Os anticorpos anti-Sm são marcadores de LES e os anticorpos anti-RNP ocorrem tanto nos casos de LES como nos de DMTC. A ocorrência destes dois anticorpos em outras doenças é baixa.

                As suspeitas de LES ou DMTC devem ser confirmadas com testes para esses dois anticorpos, inclusive quando o teste de FAN é positivo para o padrão Nuclear Pontilhado Grosso. A especificidade dos anticorpos anti-Sm é de 40% e do anti-RNP é de 45% nos casos de LES. Já na DMTC os anticorpos anti-RNP ocorrem em 100% dos casos. Porém, não servem para

 a monitoração de atividade da doença.

 

Anticorpos anti- SSA/Ro e Anti-SSB/La

 

                Esses anticorpos reagem com componentes RNP diferentes entre si. O método mais usado atualmente é de ELISA. No FAN-HEp-2, produzem um padrão nuclear pontilhado fino.

                Os anticorpos anti-SSA/Ro podem aparecer em indivíduos normais e em diversas outras doenças reumáticas e inflamatórias. Anti-SSA/Ro aparecem em aproximadamente 75% dos casos de Síndrome de Sjögren Primária e em aproximadamente 10% dos casos de Sjögren Secundário, associado à AR.

                Nos casos de LES associado ao LE subagudo e Doença Pulmonar Intersticial, os anti-SSA/Ro podem ser positivos em 50% dos pacientes, e nos casos de LE cutâneo neonatal e nos casos de bloqueio atrioventricular total, devido à transferência placentária de anticorpos maternos anti-SSA/Ro, muito embora, as mães podem não ter apresentado manifestações clínicas de doença reumática na gestação.

                Os anticorpos Anti-SSB/La ocorrem frequentemente em associação aos anticorpos Anti-SSA/Ro nos casos de Síndrome  de Sjögren Primária, atingindo valores de 50% dos casos. No LES chegam a 15%, no LE cutâneo neonatal ou bloqueio atrioventricular congênito completo 90%.

                Esses testes estão indicados em casos suspeitos de Síndrome de Sjögren Primária, independente da positividade do teste de FAN e nas mães de neonatos  com LE cutâneo neonatal ou Bloqueio atrioventricular  congênito completo, mesmo em casos assintomáticos, incluindo grávidas com LES.

 

Anticorpos anti-Centrômero

 

                O padrão do FAN-HEp-2 para esses anticorpos é o Nuclear Pontilhado Centromérico, que é causado por anticorpos anti-Proteínas do Centrômero Nuclear. Esse tipo específico pode ser determinado pelo FAN-HEp-2 com bastante segurança. Aparecem nos casos de Esclerodermia e são muito pouco frequentes em indivíduos normais ou em portadores de outras doenças reumáticas e inflamatórias crônicas.

                A pesquisa desses anticorpos é indicada em pacientes com Esclerodermia ou nos casos da variante CREST (calcinose + fenômeno de Raynaud + distúrbios da motilidade do esôfago, esclerodactilia e telangectasia).

                Cerca de 60% dos pacientes com CREST e cerca de 20% dos pacientes com Esclerodermia apresentam anticorpos anti-centroméricos, com um a especificidade de quase 100%. Parece haver uma forte relação entre o aparecimento desses anticorpos no início da doença, com alterações cutâneas iniciais e baixos índices de envolvimento pulmonar. Não são úteis na monitoração das doenças relacionadas.

 

2-Anticorpos anti-nucleolares

 

Anticorpos Anti-Scl-70 (Anti-Topoisomerase – I)

 

                Esses anticorpos produzem padrão de FAN-HEp-2 do tipo Nucleolar Homogêneo (Nucleolina). Ocorrem na ES e Polimiosite Primárias, mas principalmente nos casos de superposição da Polimiosite e ES. A frequência para ES isolada é de 30% e a especificidade  é de aproximadamente 100%. Diferentemente dos anticorpos anti-nucleares, os anticorpos anti-Scl-70 podem ser utilizados para o prognóstico da ES, principalmente nos casos que desenvolvem doença cutânea e doença pulmonar, porém, não tem utilidade para a monitoração ou acompanhamento da doença.

 

Anticorpos anti-nucleolar aglomerado

 

                Este padrão fluorescente, no FAN-HEp-2 aparece com anticorpos anti-Fibrilarina-U3-RNP. Geralmente associado à ES, com comprometimento visceral grave, como na Hipertensão Pulmonar, com alta sensibilidade.

 

Anticorpos anti-Nucleolar pontilhado

 

                Este padrão fluorescente no FAN-HEp-2, aparece com anticorpos anti-NOR-90 e anti-RNA polimerase I e II. Os anticorpos anti-NOR-90 aparecem em casos de ES com alta sensibilidade e podem aparecer em outras doenças do tecido conjuntivo, sem relevância clínica bem definida. Os anticorpos anti-RNA-Polimerase I e II também aparecem nos casos de ES na forma difusa com tendência para comprometimento visceral mais frequente e grave.

 

Final da Parte III

DADOS ESTATÍSTICOS E METODOLÓGICO EM REUMATOLOGIA – PARTE II

DADOS ESTATÍSTICOS E METODOLÓGICO EM REUMATOLOGIA – PARTE II

Anticorpos anti-CCP-2 (2ª geração) – Peptídeos Cíclicos Citrulinados

                Recentemente forma demonstradas as presenças de anticorpos anti-CCP em pacientes com Artri-te Reumatóide (AR), altamente específicos (95 a 97%) e de alta sensibilidade (70 a 80%).

                ... Veja mais »

DADOS ESTATÍSTICOS E METODOLÓGICOS EM REUMATOLOGIA – PARTE I

Muitas vezes os exames laboratoriais, que são auxiliares no estabelecimento de um diagnóstico clínico (vale sempre o antigo adágio: ”A clínica é soberana”), não conseguem, por si só, definir absolutamente, diagnóstico de qualquer doença específica.

                Em uma série de três partes, iremos descrever como o clínico deve agir frente a um exame positivo ou reagente, negativo ou não ... Veja mais »

« Voltar